Como é feito o tratamento para o câncer de pele?

O câncer de pele é bastante recorrente na população brasileira. Estamos falando do crescimento descontrolado e anormal das células que compõem a pele. Os principais fatores de risco para a doença são a exposição solar, o histórico familiar e características peculiares da pele. O dermatologista é o médico responsável pelo diagnóstico, tratamento e acompanhamento do problema.  

Após uma pessoa descobrir que tem câncer de pele, é preciso iniciar o tratamento. Existem alguns tipos da doença, por isso, o processo deve ser diferente para cada caso. Neste post, você vai entender melhor sobre os tipos de câncer de pele e como se dá o tratamento da doença.

O que pode influenciar o tratamento do câncer de pele?

As peculiaridades do surgimento da doença em uma pessoa devem indicar o tratamento mais adequado para ela. O estágio, o tipo de câncer, o tamanho e o estado geral de saúde do paciente são fatores fundamentais a serem analisados antes do início do processo.

Leia também:
Câncer: o perigo pode estar no que você come
Descubra os sinais que mostram que a sua saúde não está bem

Como tratar o câncer de pele do tipo melanoma?

cancer-de-pele-melanoma
Na maioria das vezes, é necessário radioterapia e quimioterapia para tratar o câncer de pele do tipo melanoma. 

Esse tipo de câncer de pele tem como principal característica o aparecimento de manchas escuras que crescem gradualmente e podem ter o seu formato alterado. O tratamento do melanoma começa com a remoção da lesão cancerígena por meio de cirurgia. Após o procedimento, na maioria das vezes é necessário fazer radioterapia e quimioterapia.

O médico também pode sugerir que o tratamento seja feito através de medicamentos que possam eliminar as células cancerígenas. Como o melanoma é um tipo de câncer de pele maligno e bastante grave, nem sempre é possível atingir a cura. O diagnóstico precoce é essencial para o sucesso do tratamento.

Câncer de pele do tipo não melanoma: possibilidades de tratamento

A principal característica desse tipo de câncer é o aparecimento uma pequena ferida. Ela pode ser de cor branca, avermelhada ou rosa e ao crescer, rapidamente forma uma casquinha. Quase sempre o tratamento para o câncer de pele não melanoma é feito com cirurgias.

O médico pode indicar alguns procedimentos, de acordo com o estado geral da pessoa. Entre eles estão:

Cirurgia de remoção simples: é bastante usada e tem como objetivo retirar a lesão causada pelo câncer à pele e uma parte do tecido saudável em volta;

Eletro-curetagem: é feita após a retirada do tumor para parar o sangramento e eliminar células cancerígenas que podem ter permanecido na pele;

Cirurgia micrográfica de Mohs: utilizada especificamente para câncer de pele no rosto, pois retira camadas finas da pele e evita cicatrizes muito profundas;

Criocirurgia: é utilizada quando a lesão se encontra bem delimitada, assim é possível congelá-la até que todas as células malignas sejam eliminadas.

Quais são as chances de cura?

Como você pode imaginar, o estágio em que a doença se encontra é crucial para responder a essa pergunta. Na verdade, quanto mais cedo o problema for descoberto, mais eficiente será o tratamento. Logo, consultar um dermatologista de confiança com certa frequência é fundamental. Aliás, adotar hábitos de prevenção contra o câncer de pele é igualmente importante.

Cuidar do corpo e da mente é um dos principais requisitos para ter uma ótima saúde. Hora de aprender a colocar em prática os cuidados básicos que fazem a diferença para o seu bem-estar.

banner-tabagismo

Deixe uma resposta