Alimentos alergênicos: será que você possui alguma restrição?

Compartilhe:

Atualmente, as pessoas estão cada vez mais consumindo os chamados alimentos alergênicos, sem saber ao menos se possuem restrições a eles. O leite, ovo, soja, castanhas, entre outros itens da alimentação diária podem desencadear alergias alimentares.

Mas como saber identificar a alergia alimentar e quais são os principais alimentos alergênicos que provocam esse problema? É importante que você observe os sinais que o seu corpo dá após a ingestão de algumas substâncias presentes no alimento.

Confira aqui como identificar os efeitos adversos da alergia alimentar e evite problemas maiores com a sua alimentação.

O que são alimentos alergênicos?

São produtos ou ingredientes que contém um determinado composto (alérgeno), capaz de causar reações alérgicas em algumas pessoas.

Um alérgeno é uma substância presente em alguns alimentos que pode desencadear reações anormais no sistema imunológico de pessoas pré dispostas a ele.

Isso acontece porque o organismo reconhece o alimento como se fosse um agente agressor e cria anticorpos contra ele, gerando uma resposta imunológica imediata. Assim na maioria das vezes os sintomas aparecem praticamente de imediato após a ingestão do alimento.

Qualquer alimento pode desencadear reação alérgica. No entanto, segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) há alguns mais suscetíveis a provocar esses efeitos.

Conheça a seguir alguns dos principais alimentos que podem causar reações alérgicas:

Leite

A alergia ao leite é uma das mais comuns, principalmente nos bebês, devido a presença das proteínas caseína, alfa-lactoalbumina e beta-lactoglobulina. No entanto, os sintomas tendem a desaparecer antes dos 3 anos de idade.

Enquanto isso, é importante contar com acompanhamento médico para ajustar a dieta, para a criança não sofrer com a ausência de cálcio, vital para os ossos no desenvolvimento do bebê.

Ovos

As proteínas ovomucóide e ovoalbumina presentes no ovo são uma das principais causas das reações alérgicas que algumas pessoas costuma ter.

O alimento pode causar reações graves, como a anafilaxia, que afeta o organismo por completo e os órgãos em questão de minutos.

Frutos do mar

Os frutos do mar que incluem os crustáceos (camarão, caranguejo e lagosta) e os moluscos (mexilhões, ostras e vieiras) podem desencadear reações bem fortes no organismo.

Inclusive, existem pessoas que apenas pelo fato de inalar o aroma desses alimentos já apresentam sintomas alérgicos.

Leia também:

Alergia a medicamentos: porque acontece e como identificar
Para ficar alerta: veja 5 sinais de alergia a medicamentos

Oleaginosas

A castanha-do-pará, de caju, amêndoa, macadâmia e amendoim também podem causar reações alérgicas após seu consumo.

As principais substâncias causadoras dos efeitos nocivos para o organismo são as aflatoxinas, que consistem em um grupo de compostos tóxicos produzidos por certas cepas dos fungos presentes no alimento.

Soja e trigo

A alergia a essa leguminosa geralmente surge em crianças (antes dos 3 anos) e desaparece até os 10 anos de idade. A reação está ligada ao consumo de alimentos como fórmulas infantis com soja, leite de soja e molhos de soja.

A alergia ao trigo também é mais comum em bebês e crianças pequenas, que ainda estão desenvolvendo seus sistemas imunológicos e digestivos. As proteínas desse cereal podem causar feitos na a pele, no sistema respiratório e no intestino.

Diagnóstico para alergia alimentar

Agora que você já sabe quais são os principais alimentos alergênicos, comece dando o primeiro passo na busca do diagnóstico de uma possível alergia alimentar, tomando nota de tudo o que ingeriu, o intervalo entre as refeições, o modo de preparo, e o tipo de produtos utilizados, entre outros aspectos.

Essas informações serão muito úteis para quando você der o próximo passo que é ir ao médico.

Geralmente, quando não se tem o registro alimentar prévio, o médico realiza os testes com os alimentos mais alergênicos como o amendoim ou camarão, sendo o diagnóstico feito por exclusão de partes até que se chegue ao alimentos responsável pela alergia.

O diagnóstico da alergia alimentar pode ser feito através de testes de alergia na pele ou sangue, que são pedidos pelo médico para identificar a origem da alergia.

O teste na pele consiste na observação dos sintomas que aparecem na pele após a aplicação de diferentes extratos de alimentos alergênicos, deixando atuar durante cerca de 24 a 48 horas. Após esse tempo, o médico irá observar se o teste deu positivo ou negativo e as reações no corpo do paciente.

Principais sintomas da alergia

Os sintomas alérgicos variam muito de uma pessoa para outra. No entanto, os efeitos mais apresentados são digestivos, intestinais, cutâneos e respiratórios.

Os principais sintomas da alergia alimentar podem surgir até 2 horas depois da ingestão do alimento, bebida ao aditivo alimentar, e geralmente incluem:

Sintomas digestivos e intestinais

  • Dor abdominal e excesso de gases;
  • Vômito, diarreia ou prisão de ventre;
  • Ardor e queimação ao evacuar.

Sintomas cutâneos

  • Coceira e vermelhidão na pele;
  • Placas avermelhadas e inchadas na pele;
  • Inchaço nos lábios, língua, orelhas ou olhos;
  • Aftas.

Sintomas respiratórios ou nas vias respiratórias

  • Nariz entupido e escorrendo;
  • Sensação de desconforto na garganta;
  • Falta de ar e dificuldade em respirar.

Reação anafilática

Em casos mais graves de alergia alimentar a reação pode ser mais grave, conhecida como reação anafilática.

A anafilaxia é desencadeada pela liberação de substâncias químicas que despertam um quadro grave de reação alérgica. Podendo causar o aparecimento de coceira generalizada, edema (inchaços), tosse, diarreia, vômitos, aperto no peito com queda da pressão arterial, arritmias cardíacas e colapso vascular (choque anafilático).

Ao identificar alguns desses sintomas é importante ir o mais rápido possível em um posto de saúde, pois a alergia pode evoluir para uma reação alérgica grave, como a anafilaxia.

Tratamento da alergia alimentar

O tratamento para a alergia alimentar depende da gravidade dos sintomas apresentados. A maioria dos casos é feito o uso de remédios anti-histamínicos ou com corticóides, que servem para aliviar e tratar as dores causadas pela alergia.

Além disso, nos casos que ocorrem o choque anafilático e a falta de ar, o tratamento indicado é a utilização da injeção de adrenalina, podendo também ser necessário o uso de máscara de oxigênio para facilitar a respiração.

No entanto, o método mais eficaz para prevenção é a retirada desses alimentos da sua rotina alimentar, após o diagnóstico positivo da alergia.

De modo geral, a alergia alimentar é um problema que requer muito cuidado e atenção, por isso, sempre procure um médico para um diagnóstico correto. Se automedicar é uma péssima ideia para o tratamento.

Agora que você já tem todas as informações necessárias sobre os alimentos alergênicos. Confira o link “Dieta com pé direito: Veja 4 receitas saudáveis para começar bem o seu ano” e comece agora a mudar sua rotina alimentar sem medo de ser feliz!

Compartilhar