Asma é comorbidade? Saiba a relação dela com a Covid-19

Muitos pensam que a asma é um fator automático de comorbidade em relação a Covid-19, mas não é bem assim
Compartilhe:

Tosse e falta de ar. Quando asma e Covid-19 têm os mesmos sintomas principais, é preciso ficar de olho. A inflamação do organismo, sobretudo nos pulmões, é o mecanismo de ação da Covid-19. E para quem sofre de asma, os riscos são ainda maiores, uma vez que a doença se manifesta quando há inflamação das vias respiratórias. Então, à primeira vista, a asma é comorbidade para a Covid-19, certo? Errado! 

Para te explicar melhor sobre isso, continue a leitura do artigo que nós elaboramos sobre o tema. Confira!

Você pode se interessar por:

– Como as atividades físicas auxiliam no tratamento da asma?

Afinal, asma é comorbidade ou não?

De forma que você possa compreender, a asma é classificada como pneumopatia crônica grave entre as comorbidades elencadas pelo Ministério da Saúde. No entanto, nem toda pessoa que sofre de asma faz parte deste grupo, destinado apenas para os casos graves da doença e prioritário para o cuidado e monitoramento no que diz respeito à Covid-19. 

Isso porque a asma se manifesta de diferentes formas. Para todos os casos há necessidade de usar corticoides orais com certa frequência ou mesmo precisar de internação hospitalar quando uma crise é desencadeada.  

Há pessoas que manifestam sintomas cerca de uma vez ao ano e ficam bem de maneira geral quando há uma crise. Outros casos, ainda considerados leves, que tomam medicação por inalação, como o uso das bombinhas, para manter a doença sob controle e os cuidados são efetivos.

No entanto, a asma é comorbidade para um outro grupo, que mesmo em tratamento ainda tem crises de aperto nos brônquios e falta de ar com frequência. Para essas pessoas que têm dificuldade de tratar ou de controlar a asma, aí sim a Covid-19 se torna uma ameaça quase que fatal, portanto entram na lista prioritária para a vacina contra o novo coronavírus.

Entendendo na prática

Um paciente com histórico de medicação frequente, está sujeito ao desconforto nos brônquios em maior grau e tem mais risco de contrair a Covid-19 – e as consequências severas em decorrência disso – por estar com o sistema respiratório fragilizado. 

Para fixar: quem tem asma leve, com poucos sintomas, ou controlada, mesmo que com uso de bombinhas, não faz parte do grupo de risco para a Covid-19. O que não anula os cuidados necessários para evitar a contaminação. 

Estes casos controlados não geram predisposição para contrair o vírus e também não significam forma grave de Covid-19 automaticamente.

Para concluir

A relação entre asma e Covid-19 pode parecer altamente provável uma vez que as duas doenças afetam os pulmões, provocando sintomas como tosse e falta de ar. No entanto, as semelhanças param por aí e a asma é comorbidade apenas para quem tem a forma de difícil controle da doença.

Nós, da Santo Remédio, temos um vídeo sobre a asma que vai te explicar bem direitinho tudo sobre a doença sob a ótica de um especialista. Confira a Santa Dica clicando na tela abaixo:

Gostou do nosso artigo? Com ele, você viu que asma é comorbidade para a Covid-19 apenas para quem tem a forma grave da doença, portanto, a asma leve não se enquadra na categoria.

Vamos aproveitar esse gancho e sugerir uma leitura relacionada que você vai gostar bastante:

– Você tem asma? Saiba quais são os tratamentos mais indicados para essa doença respiratória

Compartilhar