Bromidrose plantar: evite o famoso chulé!

evite a bromidrose plantar, nome científico do famoso chulé!
Compartilhe:

Com certeza, todo mundo já passou por uma situação de mau cheiro nos pés, o temido chulé. A condição, que atende pelo nome de bromidrose plantar, nem sempre é sinal de má higiene. E no artigo de hoje você vai tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto. Vamos conferir?

*Atenção: este conteúdo é meramente informativo e não substitui uma consulta com um especialista tampouco é equivalente a um diagnóstico.  

Leia também:

Cecê forte: o que causa a bromidrose axilar?

Afinal, o que é a bromidrose plantar?

A bromidrose plantar é o nome clínico do chulé, aquele famoso mau cheiro nos pés, que geralmente aparece quando a região fica suada. 

O suor, em si, não cheira mal. Dependendo da área onde ele ocorre, ele pode ser sinônimo de cheiro desagradável, como virilhas e axilas, que são áreas quentes do corpo. Inclusive temos um artigo específico para a bromidrose axilar clicando aqui.

Isso acontece porque as bactérias que se alimentam do suor ocorrem em maior quantidade nessas áreas. É a atividade delas que causa o mau cheiro. É claro que fatores como desequilíbrios hormonais – comuns na puberdade – e higiene inadequada contribuem bastante para que isso aconteça. Por isso é mais comum em adolescentes e adultos.

É rara em crianças e idosos porque os fatores hormonais destas faixas etárias não possibilitam o aparecimento do chulé.

A bromidrose plantar não é considerada uma doença, mas é uma condição médica que pode necessitar da ajuda de um profissional para o tratamento, caso as medidas de prevenção não deem resultados ou se o suor intenso nos pés está associado ao odor que surge na área.

4 dicas para tratar e prevenir a bromidose plantar

O tratamento envolve o uso de produtos ou mesmo antibióticos que irão modificar o tipo e a quantidade das bactérias na área, com isso a característica do suor é alterada. 

Cada caso é único, portanto uns podem precisar recorrer a esta solução e outros não. Na maior parte das vezes, adotar alguns hábitos no dia a dia já são o suficiente para evitar a bromidrose plantar. Veja abaixo:

1. Limpeza correta dos pés

Lavar bem os pés com água e sabão e secá-los completamente com uma toalha seca são atitudes essenciais para quem quer evitar o chulé. Pelo menos uma vez ao dia isso deve ser feito, faça após o banho, sem esquecer de enxugar a área entre os dedos. 

2. Use talco para os pés

Uma dica que mais parece conselho de vó. O pó de talco é um grande aliado para evitar o chulé porque ele diminui a produção de suor, não permitindo que haja umidade suficiente para que as bactérias apareçam. Pode espalhar o produto diretamente nos pés, antes de calçar a meia, ou aplicar uma quantidade dentro do sapato.

3. Atenção às meias

Importante usar meias sempre que for usar sapatos fechados. Além disso, as meias precisam ser preferencialmente de algodão, porque é um tecido que permite a respiração dos pés. 

Ainda no tópico das meias, não esqueça de usar sempre pares limpos todos os dias. Nada de repetir no dia seguinte, mesmo que elas, aparentemente, não estejam suadas. 

4. Ande descalço

Deixe os pés livres para respirar! Sempre que tiver oportunidade, use sandálias ou fique descalço. É uma excelente forma de garantir uma boa transpiração na área, sem a interferência das bactérias agindo no suor. 

E aí, este conteúdo foi útil para você? Nele, você viu que o chulé pode até ter um nome mais difícil de gravar, bromidose plantar. No entanto, evitar e tratar a condição é muito fácil, principalmente depois de seguir as nossas dicas.

No blog da Santo Remédio você encontra informação de qualidade e muitas dicas de saúde, beleza e bem-estar. Confira nossos últimos artigos clicando aqui.

Compartilhar