Conheça os tipos e como é feito o diagnóstico do câncer de mama

Compartilhe:

Você já sabe que anualmente é realizada a campanha Outubro Rosa, para conscientização e diagnóstico do câncer de mama. Agora imagine saber que existe vários tipos!

Por essa razão, o diálogo sobre o assunto é tão importante e reforçado com a campanha. E não pense que apenas as mulheres são o público alvo, viu? Os homens também podem desenvolver a doença. Leia agora o artigo que elaboramos e aprenda tudo sobre o tema.

Você pode se interessar por:
– Exames ginecológicos: quais tipos de câncer eles podem prevenir?

* Este material é mero e exclusivamente informativo. Em caso de dúvidas ou suspeitas, procure orientação médica o quanto antes.

Entendendo o câncer de mama

O câncer é uma doença que começa silenciosa. Geralmente quando alguns sintomas aparecem, ela já está instalada. A medicina ainda não sabe como evitar que ela surja, no entanto quanto mais cedo ela for detectada, maiores as chances de vencê-la.

É o caso do câncer de mama. Existem vários tipos, que evoluem de diferentes formas e há diversas maneiras de tratar. Alguns têm desenvolvimento rápido ao passo que outros evoluem lentamente, e essas características são próprias de cada tipo de tumor.

O alvo mais comum são as mulheres, no entanto os homens também podem desenvolver a doença. Dados apontam 1% do total de casos com diagnóstico de câncer de mama são em pacientes masculinos. Mesmo com uma porcentagem tão baixa, ainda assim é importante falar sobre detecção precoce e como tratar.

Como fazer o diagnóstico de câncer de mama?

Há duas maneiras: Uma é se observando, fazendo autoexame e, a outra, é a confirmação dos exames solicitados por um médico.

Prestar atenção no próprio corpo é o primeiro passo. Isso porque o câncer de mama pode ser percebido logo no começo, na maior parte dos casos, apresentando sinais e sintomas como:

  • Caroço fixo e comumente sem dor: este é o principal sintoma, presente em cerca de 90% dos casos e notado pelo próprio paciente;
  • Pele da mama avermelhada, retraída ou com aspecto de casca de laranja;
  • Alterações físicas no mamilo;
  • Nódulos pequenos nas axilas ou no pescoço;
  • Líquido estranho saindo pelos mamilos.

Há vários momentos propícios para o autoexame. Ao trocar de roupa em frente ao espelho, no banho ou separando um momento exclusivo para isso. Não tem técnica específica exceto ir sentindo com as pontas dos dedos toda a região, que vai dos seios as axilas e pescoço. O objetivo é procurar por anomalias.

Lembrando que ao notar estes sinais, é vital que um médico comece a investigar as causas e descartar a possibilidade de diagnóstico de câncer de mama. Assim o tratamento é mais eficaz, com menos sequelas e com maiores chances de cura.

Como funciona a investigação?

Após o exame clínico das mamas, alguns exames podem ser solicitados para analisar o quadro. Mamografia, ultrassonografia ou ressonância magnética estão entre os exames que ajudam na avaliação.

Para ter a confirmação final, que é o diagnóstico de câncer de mama, é preciso fazer a biópsia. É a técnica que retira um pedaço do nódulo ou lesão suspeita e o material vai para análise com patologista para a definição do diagnóstico.

Quais os tipos de câncer de mama?

1. Carcinoma Ductal In Situ
Os canais que levam o leite, também chamados de ducto, são os afetados. Não atinge outros tecidos, mas tem chances de aparecer em diversos pontos dentro da mesma mama.

Este tipo tem potencial para se transformar em invasivo por existir a presença de receptores hormonais. É considerado do tipo mais comum de câncer de mama não invasivo.

2. Carcinoma Ductal Invasivo
Inicia nos ductos de leite, rompendo-os e passando para os tecidos próximos. Este tipo pode crescer no local ou atingir outros órgãos, levado por meio das veias e/ou dos vasos linfáticos, e representa entre 65 a 85% dos casos de câncer de mama invasivo.

3. Carcinoma Lobular In Situ
Se origina nas glândulas produtoras de leite, também chamadas de lóbulos da mama. Não atinge tecidos próximos e também não rompe paredes. Tem característica multifocal, quando há outros focos dentro da mesma mama, e é responsável por 2 a 6% dos diagnósticos.

4. Carcinoma Lobular Invasivo
Segundo tipo mais incidente. Ele nasce nas glândulas mamárias, mas atinge outros tecidos. Pode se desenvolver no local onde nasceu ou passar para outros órgãos.

5. Carcinoma inflamatório
Ocorre quando os ductos linfáticos são bloqueados por células tumorais. O sistema linfático ajuda a defender o organismo contra infecções e inflamações, e por estar obstruído, desenvolve uma reação que desencadeia a inflamação da mama. É um tipo de câncer pouco frequente, entre 1 e 3% do total de casos.

6. Doença de Paget
Apresenta crostas e inflamações e é responsável por 0,5 a 4% do total de diagnóstico de câncer de mama. Ele começa no ducto, atingindo a pele do mamilo e toda a auréola.

7. Tumor Filóide
É considerado muito raro, pois se desenvolve no estroma, que é o tecido conjuntivo da mama.

8. Angiosarcoma
É um tipo de câncer que começa nas células que revestem os vasos sanguíneos. mas que em casos raros podem ocorrer na mama.

Gostou do conteúdo? Com o nosso artigo você viu que existem diferentes tipos de câncer de mama e como é feito o diagnóstico. E para aprender mais sobre este assunto, que tal baixar gratuitamente nosso infográfico? É só clicar no banner abaixo. Boa leitura!

Compartilhar