Veja 9 mitos e verdades sobre a doação de sangue

Doação de sangue pode trazer doenças? Veja 9 mitos e verdades sobre esse assunto
Compartilhe:

A doação de sangue é tema recorrente das campanhas publicitárias voltadas para a saúde e, de fato, um tema muito importante. 

De acordo com o Ministério da Saúde, 16 a cada mil brasileiros são doadores de sangue. Esse número corresponde a cerca 1,6% dos habitantes do Brasil. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS), indica que o desejável é que de 1% a 3% da população do país sejam doadora regular.

A doação de sangue regular é muito importante para que os estoques dos hemocentros fiquem abastecidos. 

Por que devo doar sangue?

Doar sangue é um ato voluntário e que salva milhares de vidas anualmente. A cada doação, até quatro pessoas podem ser beneficiadas.

Além disso, não é necessário preocupações quanto a segurança do procedimento. Todos os materiais usados são descartáveis, evitando riscos de contaminação para o doador.

Embora a muito tempo se estimule a doação de sangue, muitas pessoas ainda têm dúvidas e alguns mitos circulam a prática. Agora vamos desmistificar alguns deles.

Mitos e verdades sobre a doação de sangue.

1.  Doar sangue pode prejudica a saúde do doador? 

Mito! O sangue tende a voltar ao normal rapidamente após a doação. A quantidade é coletada de acordo com o peso e a altura do doador. 

Além do mais, o volume de sangue é reposto pelo organismo nas primeiras 24h após a coleta.

2. Menores de idade não podem ser doadores

Mito! Adolescentes de 16 e 17 podem sim doar sangue, pois são fisicamente aptos para fazer isso. Eles só precisam cumprir os requisitos básicos para a doação e terem a autorização dos pais ou responsável legal.

3. Pessoas que pesam menos de 50kg não podem doar

Verdade! O peso mínimo que quem deseja ser voluntário deve ter é 50kg.

 4. Pessoas idosas não podem fazer doação de sangue

Verdade. O Ministério da Saúde, em 2013, aumentou a idade máxima permitida para ser doador de sangue. Desde então, apenas pessoas entre 16 e 69 anos podem realizar o ato de doar.

Saiba também: 

 

 

 

 

 5. Doar sangue traz riscos de contágio para o doador?

Mito! Todos os materiais usados para fazer a coleta de sangue são descartáveis, portanto, não há contato com o sangue de uma outra pessoa.

6. Não posso doar sangue após ter tomado vacina

Verdade! As vacinas para Hepatite B impedem a doação de sangue por 48h, enquanto a vacina para influenza (gripe) impede a doação por quatro semanas. O mais recomendado é que o doador leve a carteira de vacinação no dia em que for ao posto de doação.

7. Pessoas que tiveram dengue não podem nunca mais fazer doação de sangue

Mito! O organismo é capaz de criar anticorpos para combater as infecções e neutralizar o vírus. No entanto, há um período de um mês de quarentena para que seja feita a liberação para a doação. E para os pacientes que foram acometidos de dengue hemorrágica o período é de seis meses.

8. O sangue doado não faz falta para o organismo do doador

Verdade! O volume de plasma é reposto no decorrer de 24h após a doação, e os glóbulos vermelhos em quatro semanas. Já o estoque de ferro leva cerca de oito semanas para voltar ao volume anterior a doação nos homens, e doze semanas nas mulheres.

9. Mulheres não podem doar sangue enquanto estiverem menstruadas

Mito! A menstruação é uma perda de sangue prevista pelo organismo feminino e o mesmo está adaptado para fazer a reposição necessária.

Nas doações são coletados cerca de 450 ml de sangue, correspondentes a menos de 10% do total do volume do corpo. Esse percentual é reposto pelo organismo no decorrer do tempo. Por isso, fazer doação de sangue durante o período menstrual  não representa nenhum risco à saúde da mulher.

Agora que já sabe importância da doação de sangue, procure o Hemocentro da sua cidade e seja um doador. Leia também: O que é o teste COVID-19 IgG/IgM?

Compartilhar