Flatos e eructação: o que você precisa saber sobre gases

do pum ao arroto, o que você precisa saber sobre seus gases
Compartilhe:

Desconforto abdominal, inchaço e dor. São sintomas comuns causados por gases estomacais ou intestinais presos no organismo. A melhor maneira de aliviar? Só encontrando uma saída, seja na forma de arroto ou flatos, o famoso pum.

 

Se os gases são um assunto que ainda gera dúvidas, continue a leitura para saber tudo sobre eles. Vamos começar?

 

Você pode se interessar por:

4 dicas para adotar uma alimentação sem glúten

Por que temos gases?

A resposta é simples: porque entra ar no organismo pelo tubo digestivo. Esse ar acumulado, os gases propriamente ditos, incomoda e pode até causar situações constrangedoras.

 

O fato é que os gases são inevitáveis. E eles só devem ser motivo de preocupação quando há excessos, que se manifestam em sintomas que comprometem a qualidade de vida no dia a dia. 

 

O que é consumido influencia diretamente nessa questão. Alguns alimentos são menos tolerados ou são mais difíceis de serem digeridos, com isso as bactérias responsáveis por esse trabalho entram num processo de alta fermentação, aumentando a quantidade de gases no intestino ou no estômago.

 

Os alimentos que favorecem o problema:

  • ovo;
  • leite;
  • feijã​o;
  • batata;
  • milho;
  • brócolis;
  • repolho;
  • couve-flor;​
  • fibras e açúcares. 

 

O acúmulo causa desconforto, dor e pode ser confundida com problemas graves, como doenças cardíacas.

 

Outras razões para o surgimento de gases

Sabia que a ansiedade pode ser um gatilho? A reação no corpo acelera o trânsito intestinal, fazendo com que os alimentos mal digeridos sigam em direção ao cólon e sejam fermentados.

 

Eles podem, ainda, indicar a presença de doenças quando os episódios são excessivos. Veja as principais:

  • Síndrome do intestino irritável;
  • Intolerância à lactose;
  • Doença celíaca;
  • Gastroenterite aguda;
  • Insuficiência pancreática, 

 

Se os gases, estomacais ou intestinais, estiverem afetando a vida no dia a dia, um médico deve ser consultado para avaliar o quadro de saúde. 

Sintomas clássicos dos gases

Os gases podem ser estomacais ou intestinais, e dependendo do local, se manifestam de diferentes formas.

 

Estomacais

  • Sensação de estômago inchado;
  • Arrotos frequentes;
  • Perda de apetite;
  • Queimação no local;
  • Fisgada no peito;
  • Dificuldade para respirar. 

 

Para diminuir a formação de gases estomacais, evite mascar chiclete, comer muito devagar e falar durante as refeições, para que não entre ar no tubo digestivo.

 

Intestinais

  • Dor intensa no abdômen, pode ser em forma de pontada;
  • Inchaço na barriga;
  • Barriga dura;
  • Flatos em excesso;
  • Prisão de ventre;
  • Cólica.

Como evitar gases em excesso?

Trouxemos algumas atitudes simples para serem adotadas no dia a dia. Os gases continuarão a ser produzidos, mas adotando as nossas dicas, você vai se sentir mais confortável.

 

  • Tomar uma xícara de chá de hortelã após as refeições;
  • Fazer caminhadas após longos períodos sentado;
  • Manter-se hidratado;
  • Ter uma dieta rica em fibras, para favorecer o trânsito intestinal;
  • Evitar refrigerantes e outras bebidas com gás no momento das refeições;
  • Evitar o excesso de leite e derivados. 

 

Gostou do nosso conteúdo? No artigo, você viu que os gases são produzidos no organismo a todo momento e até nas coisas mais simples, como falar ou comer. No entanto, alguns hábitos e alimentos podem contribuir para aumentar a produção, e para isso, trouxemos dicas para eliminá-los mais facilmente.

 

Vamos aproveitar o gancho do assunto e sugerir uma Santa Dica sobre nutrição. É só clicar abaixo para assistir:

Compartilhar