Hirsutismo feminino: o excesso de pelos no rosto da mulher

o hirsutismo feminino é a condição hormonal que aumenta a produção de pelos no rosto e corpo da mulher onde geralmente não nasceriam
Compartilhe:

O excesso de pelos nas mulheres pode ser uma causa de grande desconforto estético. No rosto, então, o problema é ainda maior e atende pelo nome de hirsutismo feminino.

O que causa? É hormonal? Como tratar? Para saber estas e outras respostas, continue a leitura do artigo para entender mais sobre o assunto.

Conteúdo relacionado:

– Mulher idosa: quais são os principais cuidados ginecológicos na terceira idade?

Entenda o hirsutismo feminino

Ter pelos no rosto é normal, assim como em toda a extensão do corpo. Mas em cada área, a espessura e a quantidade de pelos difere e varia também de acordo com o sexo. 

Nos homens costuma ser mais abundante, principalmente nos membros superiores e inferiores, tórax, costas e rosto. Mas e quando o mesmo ocorre com as mulheres? Este excesso de pelos, nos locais comuns aos homens, é chamado de hirsutismo feminino.

É considerada uma condição rara e pode ocorrer durante a idade fértil e após a menopausa, sem causa definida pela ciência ainda. No entanto, a irregularidade menstrual, alterações hormonais, pele acnéica, infertilidade e excesso de hormônios masculinos são as principais causas associadas.

Leia também:

– HPV na mulher: como a infecção pode estar associada ao câncer de colo de útero

Sintomas mais comuns

os pelos nascem grossos e escuros em diresas partes do corpo

O aparecimento de muitos pelos deixa claro que pode ser hirsutismo feminino. Locais não comuns às mulheres:

  • queixo;
  • buço;
  • abdômen inferior;
  • ao redor dos mamilos;
  • entre os seios;
  • glúteos;
  • parte interna das coxas. 

Como tratar o hirsutismo feminino?

O ideal é procurar um especialista, um endocrinologista, para fazer uma investigação hormonal. A partir dos resultados, uma via de tratamento será definida para regular o que estiver precisando de regulagem no organismo.

É preciso descobrir a causa do problema para poder tratar os sintomas, como é de praxe em todos os casos de doenças e distúrbios. Apenas depilar não vai resolver.

Uma prática comum para o hirsutismo feminino é bloquear a ação dos hormônios masculinos.  Os resultados levam em torno de três a seis meses para começar a aparecer.

Em paralelo ao tratamento hormonal, deve ser feita a remoção dos pelos. Pode ser com raspagem com lâmina, remoção com pinça, depilação com cera, creme e uso de laser.  A escolha deve ser feita com outro especialista, um dermatologista, que irá avaliar a quantidade de pelos e áreas onde eles ocorrem. 

Cada método tem características próprias, assim como vantagens e desvantagens. Confira abaixo os mais recomendados:

Creme depilatório

Uma das soluções mais rápidas e indolores. No entanto, pode irritar ou mesmo queimar a pele se não observadas as indicações corretas de uso orientadas pelo fabricante. 

Laser e luz pulsada

Rápida, duradoura e eficiente. É grande a variedade de aparelhos para fazer este tipo de remoção de pelos. É possível que haja efeitos colaterais, como manchas, queimaduras e até aumento no crescimento de pelos. Sempre converse com um dermatologista para escolher o melhor método para o seu caso.

Eletrólise

Recomendada para quem tem pelos brancos, que não são removidos com laser. Atenção que ele pode causar foliculite e aumentar o pigmento devido à inflamação comum gerada pelo método.

Como deve ser feita a prevenção?

Como o distúrbio está associado ao desequilíbrio hormonal nas mulheres, ações como manter o peso ideal, sair do sedentarismo e não usar hormônios sem recomendação médica – anticoncepcionais, anabolizantes, dentre outros – podem ser eficazes para evitar que o hirsutismo apareça.

E aí, gostou do nosso conteúdo? Nele, você viu que o hirsutismo feminino é um distúrbio provocando o aparecimento de pelos em excesso na mulher, associado a problemas hormonais. No artigo você aprendeu como ele pode ser diagnosticado, tratado e evitado.

Para aprofundar a leitura sobre autocuidado feminino, recomendamos o material abaixo, clique para acessar gratuitamente:

câncer de mama pode ser detectado pelo autoexame

Compartilhar