Prevenção do HIV: quais cuidados ter durante a atividade sexual?

Hoje viemos falar  sobre 4 cuidados importantes durante o sexo que ajudam para a prevenção do HIV. Mas antes, entenda o que é o HIV e quais os sintomas que ele apresenta nas pessoas contaminadas.

O que é HIV?

O HIV é um tipo de vírus que ataca o sistema imunológico e leva ao desenvolvimento da chamada síndrome da imunodeficiência adquirida, mais conhecida como AIDS. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. E é a partir delas que o HIV pode se multiplicar e aumentar a infecção no organismo.

Como o HIV é um retrovírus da subfamília dos Lentiviridae, tem como características o período prolongado antes do surgimento dos sintomas da doença, infecção das células do sangue e do sistema nervoso e supressão do sistema imune.

Quais são os sintomas?

Em geral, a pessoa pode apresentar os primeiros sintomas de duas semanas a dois meses após a exposição ao vírus. No começo, o sistema imune responde ao ataque de uma forma muito comum. 

Os sintomas são facilmente confundidos com os de um resfriado, por exemplo. Ou seja, o indivíduo sente febre, dor de cabeça e dores no corpo. Mas isso some em questão de poucos dias e o portador do vírus HIV fica anos sem ser diagnosticado até ele finalmente desenvolver a AIDS.

Esta fase, conhecida como primária ou aguda, é perigosa porque é justamente nesse momento que a carga viral está bastante alta. Por isso, é importante manter os exames em dia, como forma de prevenção do HIV. Fique atento, caso apresente sintomas como:

– Manchas vermelhas no corpo;

– Dor de cabeça acompanhada de dor nos músculos;

– Calafrios;

– Úlceras na região da boca e/ou da genitália;

– Sudorese noturna (excesso de suor).

Confira também:

Principais cuidados para a prevenção do HIV

1. Use preservativo

Parece até clichê, mas falar na utilização de preservativo durante a relação sexual é essencial para a prevenção do HIV e também de outras doenças. Isso porque ela evita o contato direto com a mucosa do possível corpo infectado.

Não coloque a camisinha apenas durante a penetração, pois este ato pode ser perigoso e é capaz de aumentar as chances de contração do vírus. Utilize-a desde o início do contato do pênis com a vagina ou com qualquer parte do corpo que possa transmitir a doença.

Além disso, é preciso saber também como manuseá-la da forma correta:

  • Procure sempre guardar a camisinha em local fresco e seco;
  • Não abra a embalagem com os dentes ou outros materiais perfurantes, que possa danificá-la;
  • Não use vaselina ou lubrificantes à base de petróleo, pois podem causar rachaduras na camisinha;
  • Use-a apenas uma vez;
  • Ao colocá-la, aperte a ponta. Se esse reservatório dedicado ao sêmen  estiver cheio de ar durante o sexo, a camisinha pode vir a estourar.

2. Saiba que o sexo oral também é perigoso

Está enganado quem pensa que o HIV só pode ser transmitido pelo sexo vaginal ou anal. O contato entre a mucosa do órgão genital e da boca também são capazes de transmitir a doença para o parceiro ou parceira.

O risco é tanto para quem faz quanto para quem recebe e pode ir além da contaminação pelo HIV. Então também utilize o preservativo neste caso como forma de prevenção do HIV e também de outras doenças como herpes, gonorréia e sífilis, que também podem ser transmitidas pelo sexo oral. 

3. Tome antirretrovirais

Transou sem camisinha ou ela estourou durante o sexo? Você pode estar infectado(a)! E se existir qualquer suspeita de que você adquiriu o vírus, se dirija em até 72 horas a um centro de tratamento de DST’s.

Este é o tempo seguro para começar a fazer o uso de profilaxia pós-exposição de risco ao HIV (PEP). O paciente com suspeita de infecção deve tomar uma combinação de antirretrovirais durante 28 dias.

A PEP é oferecida gratuitamente pelo SUS e é indicada somente a pessoas com suspeitas de infecção pelo HIV. Já as realmente infectadas devem iniciar o tratamento para portadores do vírus.

Isso porque os antirretrovirais só agem no combate para que o vírus não se aloje no corpo. Isso significa que uma vez que o paciente é infectado, a PEP não pode mais reverter e só resta fazer o tratamento.Para saber quais unidades médicas que oferecem a PEP mais próximo da sua residência, ligue para a Ouvidoria do SUS 136

Outra opção para a prevenção do HIV é tomar a PrEp, uma nova tecnologia, que é indicada a pessoas com maiores riscos de contaminação pelo vírus. E entre elas estão: os profissionais do sexo, gays, população trans e casais sorodiferentes (quando um possui o vírus e o outro não).

4. Conheça o(a) parceiro(a)

O jeito mais seguro de se prevenir é conhecer a pessoa com quem você se relaciona. Faça exames periodicamente para saber se seu parceiro ou sua parceira não está infectada com alguma doença.

DST’s como o HIV podem ficar alojados por anos em uma pessoa e ela nem ter conhecimento de que foi infectada pelo vírus. Então, por mais que possa ser constrangedor para algumas pessoas, fazer os testes é uma das melhores formas de prevenção do HIV.

Gostou do conteúdo? Ótimo! Então você também vai gostar do nosso infográfico gratuito sobre vacinação. Nele, nós mostramos quais vacinas você deve tomar em cada fase da vida, além de destacamos também os cuidados após a vacinação.

Para acessar o conteúdo completo, basta clicar aqui.

Compartilhar