Síndrome de ménière: saiba mais sobre a doença

Aprenda o que é a síndrome de Ménière.
Compartilhe:

Como episódios de tontura, vômitos e zumbidos podem levar à surdez? À primeira vista parecem sintomas aleatórios e sem relação alguma. No entanto podem ser sinais da síndrome de Ménière, uma doença rara que causa a perda da audição de modo irreversível.

Se você nunca ouviu falar nessa doença antes, continue a leitura do material e aprenda quais os sintomas, como tratar e se há maneiras de evitá-la. Vamos lá?

Atenção: conteúdo meramente informativo e não substitui a avaliação e diagnóstico de um especialista.

 

Você pode se interessar por:

– Dor de ouvido em crianças: como agir diante do problema?

O que é a Síndrome de Ménière

É uma doença rara que prejudica o ouvido interno, causando zumbidos frequentes acompanhados de vertigens e eventual perda auditiva. São sintomas que surgem de forma inesperada e podem durar apenas alguns minutos ou se estender por horas. A intensidade e a quantidade de crises varia de pessoa para pessoa.

A síndrome de Ménière comumente acomete pessoas de 40 a 50 anos, mas todas as faixas etárias estão sujeitas a desenvolver o transtorno. As causas específicas não são conhecidas pela medicina, no entanto o que se sabe até agora é que a endolinfa, líquido que fica na orelha interna, tem grande relação com o aparecimento da síndrome. O mecanismo que regula a produção, circulação e/ou absorção desse líquido começa a apresentar falhas.

Como ela acontece?

Antes de tudo você precisa entender que no ouvido tem o labirinto. E ele é formado por uma série de arcos em semi círculos que contém endolinfa, que é essencial para o equilíbrio e para a localização espacial do corpo.

Esse líquido se mexe sempre que estamos em movimento. Com isso sinais elétricos são enviados ao cérebro, que por sua vez identifica esses sinais para saber a posição em que estamos.

Quando a doença de Ménière está instalada, a quantidade de endolinfa aumenta dentro do labirinto e faz ele aumentar de tamanho também, devido à pressão. 

Fatores que podem desencadear a condição:

  • enxaquecas frequentes;
  • pancada na cabeça;
  • infecções virais;
  • alergias;
  • mudanças anatômicas do ouvido;
  • sistema imunológico sensível.

Mesmo sem causa definida o fato é que a pressão interna do ouvido manda sinais imprecisos e confusos para o cérebro, causando desequilíbrio e tontura. Com isso o diagnóstico de Labirintite em estágio inicial ou apenas um mal estar temporário podem ser feitos erroneamente. O perigo maior mora aí, pois a síndrome de Ménière avança e pode causar surdez de maneira irreversível.

Como identificar os sintomas?

Zumbido. Ruídos severos no ouvido e de grande intensidade.

Vertigem. Sensação de rodar em relação ao ambiente ao seu redor. Quedas podem ocorrer durante as crises, que duram entre 15 minutos até 24 horas. 

Na fase aguda da tontura, vômitos e náuseas podem ser frequentes. 

Perda auditiva. No início da doença é um sintoma que varia de pessoa para pessoa quando em crise. No entanto, essa pode ser uma condição permanente após algum tempo e em caráter relevante para todas as frequências de sons. A perda de audição flutuante é quando há períodos de melhora espontânea e de agravamento. 

Ouvido tapado. Chamado de plenitude auricular, este é um sintoma típico e sempre acompanhado dos demais citados acima. A sensação pode durar até 3 horas.

Tratamento e prevenção

Uma vez instalada a síndrome de Ménière não tem cura. Porém pode ser controlada com o uso de medicamentos e com a adoção de hábitos mais saudáveis. Caso você sinta os desconfortos que mencionamos anteriormente, não hesite em buscar ajuda médica. 

Como a causa da doença não está bem definida, os métodos de prevenção ainda são um tanto imprecisos. No entanto vale a máxima de controlar a alimentação e praticar atividade física regular para evitar esta e outras doenças.

Gostou do nosso conteúdo? Você aprendeu o que é a síndrome de Ménière, como ela se desenvolve e como se manifesta. Para ler mais sobre dicas de saúde, só só acessar o blog da Santo Remédio. Clique aqui.

Compartilhar