Aborto espontâneo: o que é, as causas e principais sintomas

Entenda melhor o que é e os principais sintomas do aborto espontâneo
Compartilhe:

O aborto espontâneo é comum e, em alguns casos, evitáveis. As causas podem ser as mais diversas, desde muito esforço físico, estresse e até mesmo doenças. É preciso atenção para identificar quando ele ocorre para tomar as devidas providências.

Veja quais são os sintomas, o que fazer quando isso acontecer, se há diferença entre os sangramentos de aborto e de menstruação de fluxo intenso em nosso artigo.

Atenção: este conteúdo é meramente informativo e não substitui a avaliação de um profissional. Em casos de suspeitas, procure atendimento médico imediatamente.

Você pode se interessar por:

– Covid na gravidez: conheça os impactos e como conduzir o pré-natal

Entenda o aborto espontâneo

O aborto espontâneo é quando o corpo expulsa o conteúdo de dentro do útero, um óvulo fecundado. As causas podem ser diversas e envolvem mudanças no sistema imunológico, idade da mulher e doenças causadas por vírus ou bactérias. Fatores comportamentais como estresse, uso de cigarro e drogas.

É considerado um aborto precoce, quando ocorrer até a 12a semana de gestação e tardio, quando ocorre entre a 13a e a 20a semana.

Existem classificações para o tipo de aborto espontâneo, de acordo com o grau de expulsão do conteúdo uterino. 

  • Incompleto: quando parte do conteúdo é expelido ou quando há um ruptura das membranas;
  • Completo: quando todo o conteúdo é expulso naturalmente;
  • Retido: se o conteúdo fica preso no útero – morte fetal – por um período superior a 4 semanas.

Há diferença entre aborto espontâneo e menstruação de fluxo intenso?

como diferenciar o fluxo menstrual mais forte do aborto espontâneo

Em alguns casos, quando a gravidez não estava confirmada, pode ser um pouco difícil identificar. No entanto, se observadas algumas características do sangramento e o contexto, é possível determinar. Dá uma olhada nas dicas:

  1. Avalie o risco de gravidez

Analise se houve relação sexual com penetração vaginal sem proteção, camisinha ou pílula anticoncepcional, que possa ter ocasionado uma gravidez. 

  1. Quais os sintomas manifestados

Sintomas sugestivos de gravidez, como enjoo, sensibilidade nos seios, inchaço e atraso menstrual, tendem a diminuir e até desaparecer depois do sangramento.

  1. Características do sangramento

Quando o aborto espontâneo é precoce, o sangramento é moderado ou intenso e há cólicas menstruais, muito parecido com a menstruação. 

No aborto tardio, as diferenças são maiores, e você verá no tópico a seguir. 

Sintomas de aborto espontâneo

o sangramento mais forte e a dor pélvica são alguns dos sintomas mais comuns

Os sintomas clássicos do aborto espontâneo são dor na região abdominal, parecido com cólicas menstruais, e sangramento. Eles, juntos, já acendem um alerta.

Outros sintomas comuns:

  • dor nas costas;
  • dor pélvica – baixo abdômen – que irradia até os ombros;
  • dor na vagina;
  • sangramento com coágulos;
  • perda de líquido, como água;
  • corrimento amarronzado com odor forte;
  • eliminação de restos embrionários – pedaços do feto;
  • mal estar, fraqueza ou desmaios;
  • febre.

O que fazer?

A primeira coisa, após identificar os sintomas, é procurar atendimento ginecológico-obstétrico. Um exame clínico, para avaliação do quadro de saúde, e complementares como um teste de gravidez beta HCG e ultrassonografia para monitorar o útero e o conteúdo presente nele.

Caso o feto não tenha sido expelido totalmente, um procedimento chamado curetagem é feito para remover resíduos fetais ainda presentes no útero. A curetagem, realizada apenas em ambiente hospitalar, é essencial para que o conteúdo orgânico, sem vida e função dentro do corpo, seja retirado, evitando assim infecções.

Você gostou deste conteúdo? Em nosso artigo você viu que os sintomas de aborto espontâneo podem ser marcantes, mas em alguns casos podem ser sutis, como se fosse menstruação. Trouxemos dicas para aprender a identificar, quais são os sinais de alerta e o que fazer nesses casos.

campanha amigas do peito para combate ao câncer de mama

Compartilhar