Qual o tempo de vida do coronavírus em diferentes superfícies?

Qual o tempo de vida do coronavírus em diferentes superfícies?
Compartilhe:

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não existe uma média de tempo de vida do coronavírus fora de organismo humano. Mas existem estimativas que indicam um comportamento parecido em relação a outros tipos de vírus.

De qualquer forma, é importante ter em mente que as superfícies podem, sim, ser agentes transmissores do vírus. Isso exige que as medidas de prevenção levem em conta também a higienização dos objetos que usamos diariamente.

Saiba mais sobre isso neste artigo. Acompanhe!

Avaliação da OMS sobre o tempo de vida do coronavírus

Alguns estudos avaliados pela OMS apontam que o vírus pode persistir nas superfícies por algumas horas ou até mesmo vários dias. Isso pode variar e depende das condições do local, do clima e da umidade do ambiente.  

Muitos vírus que causam doenças respiratórias sobrevivem até 72 horas em uma superfície. Isso sugere que o comportamento do novo coronavírus (Sars-Cov-2), o causador da Covid-19, pode ser parecido. 

A forma que eles chegam às diferentes superfícies são o mesmo da transmissão pelo ar. Um simples espirro ou tosse podem levar as gotículas contaminadas para os objetos. 

Não deixe de conferir:

Medidas de prevenção: por que é tão importante adotá-las agora?

Como hipertensos e diabéticos devem agir durante a pandemia? Leia!

Como prevenir a infecção por coronavírus 

Além das formas principais de prevenção, sobre os quais já falamos aqui, as superfícies precisam de cuidados. A melhor maneira de evitar contaminação dessas áreas é fazendo a higienização adequada a cada uso.

As superfícies com mais chances de contaminação são:

  • Corrimãos;
  • Bancadas de comércios;
  • Maçanetas;
  • Pisos e paralelepípedos;
  • Calçadas;
  • Mesas, entre outros.

Já os objetos de uso cotidiano são muitos, não poderíamos enumerá-los. Mas os que têm uso frequente e que muitas vezes são esquecidos na hora de fazer a limpeza são:

  • Chaveiros;
  • Carteiras;
  • Celulares;
  • Controles remotos;
  • Guarda-chuva;
  • Mouse de computador;
  • Teclados, entre outros.

Em todas essas superfícies o coronavírus pode sobreviver, pondo em risco não só você, mas todos que utilizam. Caso você precise sair de casa, é importante levar apenas o mínimo de objetos necessários. 

Evite jóias, chapéus e adereços sem utilidade para a ocasião. 

Ao retornar, o mais importante é prestar atenção em tudo o que é tocado durante essa situação. É nesse momento que o risco de contaminação familiar se torna maior. 

Como higienizar as superfícies 

A recomendação da OMS é de que, caso você desconfie que uma superfície está contaminada, limpe-a com um desinfetante e evite tocar nos olhos, na boca ou no nariz. Após isso, higienize as mãos com álcool ou lave-as com água e sabão.

Caso o local ou objeto seja usado com frequência, o cuidado de não pôr as mãos na face deve continuar, além de uma higienização adequada das superfícies a cada uso.

Transmissão pelo ar

Estudos recentes apontam que o novo coronavírus também sobrevive no ar e pode ser transmitido de pessoa para pessoa. É por isso que uma das formas de prevenção mais importantes nesse momento é usar máscara e evitar aglomerações.

O isolamento social é a principal maneira de evitar novas ondas de infecções e mortes pela Covid-19. É também o método mais eficaz para achatar a curva que indica o número de infecções. 

O que fazer em caso de suspeita de infecção

Pessoas que contraíram o coronavírus normalmente apresentaram comportamentos diferentes uns dos outros. Alguns com graus leves, outros com graus medianos e os casos graves. Para cada um deles existe uma maneira de se cuidar. 

Casos leves

Em casos leves, quando os sintomas mais evidentes são perda de olfato e paladar, o mais indicado é permanecer em casa, sem contato com os familiares. Os cuidados são: repouso e alimentação saudável.

Casos medianos

Quando a pessoa também sente febre, tosse e mal-estar, ela também deve permanecer em casa e ter os cuidados redobrados. As recomendações são as mesmas: isolamento domiciliar, sem qualquer contato, além de uso de medicamentos para tratar os sintomas. Geralmente os mesmos usados para curar a gripe. 

Casos graves

Além dos sintomas já descritos anteriormente, os casos considerados graves incluem cansaço, dificuldade para respirar e intenso mal-estar. Somente com esses sintomas é indicado buscar urgentemente uma unidade de saúde. 

Este conteúdo foi útil para você? Agora que você já sabe mais sobre o tempo de vida do coronavírus nas superfícies e sabe como se prevenir, é importante seguir à risca as recomendações de prevenção das autoridades de saúde. Leia também mais destaques do nosso blog: Hidroxicloroquina: para que serve e quando tomar? Descubra!

Compartilhar