Entenda o que é e como é feito o tratamento da tuberculose

O tratamento da tuberculose ainda é um desafio para a saúde pública no país. O número de casos registrados é alto, chegando a cerca de 70 mil a cada ano e matando cerca de 5 mil.

A doença afeta principalmente o sistema respiratório, mas também ossos, nervos, intestinos e outros órgãos. Um fator preocupante é possibilidade das bactérias se tornarem resistentes, caso o tratamento não seja levado a sério.

Por isso, é fundamental seguir rigorosamente as recomendações médicas. Saiba mais sobre o tratamento da tuberculose neste artigo. Acompanhe!

O que é tuberculose?

Trata-se de uma doença infecto-contagiosa causada por uma bactéria. Ela possui uma configuração diferente dos outros microorganismos, sendo, portanto, melhor chamada de micobactéria. Nome científico: Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch (BK).

A micobactéria pode infectar vários órgãos, como pulmão, pleura, ossos, sistema nervoso, linfonodos, intestinos, sistema genitourinário, etc.

A tuberculose pode se manifestar em três formas conhecidas. São as seguintes:

  • Tuberculose pulmonar: a tuberculose pulmonar afeta os pulmões e é sua forma mais comum. O bacilo (micobactéria) se instala no pulmão e causa sintomas, como tosse seca, com ou sem sangue, dor e dificuldade de respirar.
  • Tuberculose ganglionar: este tipo ocorre quando a bactéria se instala nos gânglios, área que concentra células de defesa. Os sintomas se diferenciam do tipo pulmonar, apresentando: inchaço dos gânglios, inflamação, vermelhidão e dor no local afetado.
  • Tuberculose pleural: o bacilo afeta a pleura, membrana que reveste os pulmões. Os sintomas são: febre, perda ou diminuição da força física, emagrecimento, tosse e dor torácica.
  • Tuberculose óssea: o bacilo da tuberculose também pode afetar ossos, sendo mais frequentes vértebras, metáfises dos ossos longos e grandes articulações, como: quadril, joelho e tornozelo. Alguns sintomas envolvem: febre, emagrecimento, fraqueza muscular, dor óssea, atrofia, etc.
  • Tuberculose miliar: também conhecida como tuberculose cutânea, esta forma de tuberculose afeta a pele e de diversas formas: úlceras, abcessos, nódulos e hiperceratose (engrossamento da camada externa da pele).

Não deixe de conferir também:
Rinite alérgica: quais as causas, sintomas e tratamento?
Câncer de pulmão: quais são os principais fatores de risco?
Como as atividades físicas auxiliam no tratamento da asma?

Como ocorre a transmissão da tuberculose?

É preciso saber que a tuberculose é contagiosa e a transmissão é direta, ou seja, de pessoa para pessoa. A bactéria causadora da doença pode passar por meio do falar, espirrar ou tossir, em pequenas gotas de saliva.

Pessoas com desnutrição, diabetes, tabagismo, uso de drogas e com baixa imunidade estão mais suscetíveis ao contágio. Dessa forma, a micobactéria se multiplica e desenvolve infecções mais rápido.

Sintomas gerais da doença

Embora os tipos de tuberculose apresentem sintomas específicos, no geral podemos dizer que os sinais mais frequentes são:

  • Tosse, com ou sem secreção, que pode ser espessa ou até sanguinolenta;
  • Cansaço excessivo;
  • Falta de ar;
  • Febre baixa, mais comum à tarde;
  • Sudorese noturna;
  • Falta de apetite;
  • Perda de peso;
  • Rouquidão;
  • Fraqueza.

Em casos graves, o paciente com tuberculose pode apresentar:

  • Falta de ar limitante;
  • Expectoração de grande quantidade de sangue;
  • Colapso do pulmão;
  • Acúmulo de pus na pleura (membrana que reveste o pulmão);
  • Dor no peito.

Tratamento para tuberculose

Como dissemos antes, é fundamental que o paciente siga rigorosamente as indicações médicas, para que o tratamento surta um efeito positivo. O tratamento é feito com uso de antibióticos e dura, no mínimo, seis meses.

Os comprimido devem ser tomados diariamente. Não pode haver abandono nem desistência do tratamento antes do término, pelo risco de resistência bacteriana.

Também acompanham o tratamento medicamentos inalatórios e ajuste da alimentação, fatores que contribuem para a melhora da qualidade de vida durante o período.

Por causa do risco de transmissão, também deve haver pesquisa da infecção nos familiares e pessoas que convivem com o paciente. Pode ser necessário um tratamento específico para evitar o desenvolvimento e propagação da doença.

Medicamentos para Tuberculose

Os medicamentos mais usados para tratar a tuberculose são:

  • Bromidrato de Fenoterol;
  • Etambutol;
  • Isoniazida;
  • Pirazinamida;
  • Rifampicina.

É importante ressaltar que somente um médico especialista pode receitar os medicamentos certos para o paciente. Ele também indica a combinação das drogas, dosagem correta e duração do tratamento.

Em nenhuma hipótese pode haver a automedicação, pois os riscos de morte aumentam significativamente.

Caso o paciente tome uma dosagem acima do recomendado, ou esqueça de tomá-lo, é fundamental buscar orientação médica. Siga à risca as indicações!

É possível prevenir a tuberculose?

A principal maneira de prevenir a tuberculose em crianças é com a vacina BCG (Bacillus Calmette-Guérin), ofertada gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS). Essa vacina deve ser dada às crianças ao nascer, ou, no máximo, até 04 anos, 11 meses e 29 dias.

A vacina BCG protege a criança contra formas mais graves da doença, como a tuberculose miliar e a meníngea. A vacina está disponível em qualquer unidade básica de saúde e maternidades.

A prevenção da tuberculose inclui também evitar aglomerações, especialmente em ambientes fechados, e não utilizar objetos de pessoas contaminadas. Mantenha as janelas e portas abertas para a circulação de ar.

Em outras situações específicas, pessoas que são diagnosticadas com a infecção latente da tuberculose também tem indicação de receber tratamento para prevenir o adoecimento. Neste caso, é necessário procurar uma unidade de saúde para avaliação.

Este conteúdo ajudou você? Agora que você já sabe como se dá o tratamento para tuberculose e sabe como se prevenir, siga as nossas recomendações. No blog das Drogarias Santo Remédio, você encontra outros conteúdos importantes. Leia também: Gripe ou resfriado? Entenda a diferença e saiba como se prevenir

Compartilhar