Vacinas contra a Covid-19: o que sabemos sobre as aprovadas no Brasil?

O assunto do momento são as vacinas contra a Covid-19. Tire suas dúvidas com o nosso artigo
Compartilhe:

Sem sombra de dúvidas, as vacinas contra a Covid-19 são um dos assuntos mais falados no momento. Elas são a esperança para a retomada da rotina pré-coronavírus e todos estão ansiosos para voltar a viver sem os temores da pandemia.

Mas você já sabe quais as vacinas aprovadas no Brasil? Confira nosso artigo sobre o tema e tire as dúvidas. Vamos lá!

Você pode se interessar por:

– Teste de Covid: qual o mais indicado e quando fazer o exame?

Vacinas contra a Covid-19

A doença que virou o mundo de cabeça para baixo agora tem vacinas para inibir a ação do vírus no corpo humano. A ciência tem trabalhado a passos largos para desvendar o que puder sobre a SARS-CoV-2, ou Covid-19, doença respiratória causada por um vírus que pulou de morcegos para os humanos e afetou a vida de milhões de pessoas em todos os países.

Os laboratórios mais famosos do mundo já desenvolveram imunizantes com alta porcentagem de eficácia e aprovados em todas as fases necessárias para serem aplicados nas pessoas.

Em nosso artigo, vamos focar nas vacinas contra a Covid-19 aprovadas para uso no Brasil. Veja quais são: 

O país fechou dois acordos bilaterais. Um do Instituto Butantan com a CoronaVac/Sinovac, e outro da Fiocruz com a AstraZeneca/Oxford

A CoronaVac tem resultados de eficácia de 78% para quem desenvolve a forma leve da doença, cujas necessidades exigem apenas atendimento hospitalar, e quase 100% para casos graves, internações e morte por Covid-19. 

A confirmação da eficácia funciona assim. Nos testes, entre as pessoas que receberam este imunizante e ficaram doentes pelo novo coronavírus, não houve casos graves, nem internações ou óbitos. Entre os que ficaram doentes, apenas 22% deles precisaram de atendimento ambulatorial para tratar os sintomas. 

A CoronaVac terá melhores resultados no sistema imunológico se forem tomadas as duas doses previstas.

A AstraZeneca/Oxford apresenta eficácia de 76% para casos sintomáticos e de 100% em casos graves nos adultos, incluindo para pessoas acima de 65 anos – que têm uma resposta imunológica diferente. Ela também será aplicada em duas doses.

A Fiocruz divulgou recentemente que esta vacina protege contra a variante P.1, também chamada de variante brasileira. Nos estudos foram observados uma pequena perda de neutralização do vírus, se comparado às formas mais comuns, mas que não compromete o resultado geral do imunizante.

Este dado certamente é animador, visto que o surgimento de variantes, quando se fala em vírus, é comum. Mas no caso do novo coronavírus, por não haver precedentes, gerava muitas incertezas. Ainda assim, as pesquisas são essenciais para entender melhor a doença, seus mecanismos de transmissão, infecção e como evitá-la.

 

banner

 

Por que tomar as vacinas contra Covid-19?

A cada dia a ciência descobre mais um pouco sobre Covid-19. Os efeitos de uma doença respiratória altamente transmissível, com variantes letais e que praticamente destrói o pulmão deixando precisa de intervenção o mais rápido possível.

O novo coronavírus, aparentemente, veio para ficar e a única maneira de conviver com ele sem grandes tragédias é ouvindo a ciência. As medidas de segurança, como distanciamento social e o uso de máscaras, tendem a afrouxar uma vez que as pessoas estiverem imunizadas.

As vacinas contra Covid-19 são o caminho para tornar isso realidade e cabe a cada um de nós fazer a sua parte.

Por isso, fique de olho no calendário de vacinação e não deixe de tomar a segunda dose. Sem ela, o organismo não tem como desenvolver a resposta imunológica duradoura contra o vírus, podendo se reinfectar como se não tivesse se vacinado.

A primeira dose prepara o sistema imunológico e a segunda aumenta o potencial imunológico para o corpo se defender.

Gostou do nosso conteúdo? Nele, você viu quais as vacinas contra a Covid-19 que estão com uso aprovado no Brasil e quais os níveis de eficácia de cada uma. E já que estamos falando sobre o assunto, que tal ler sobre:

– Covid na gravidez: conheça os impactos e como conduzir o pré-natal

Compartilhar