Mulher idosa: os principais cuidados ginecológicos para manter a saúde

Mulher idosa: os principais cuidados ginecológicos para manter a saúde

A mulher idosa, diferente do que muita gente pensa, também precisa cuidar da saúde íntima. Os cuidados ginecológicos na terceira idade ajudam a prevenir doenças perigosas, como o câncer de colo de útero, por exemplo. 

Outros riscos de não cuidar adequadamente da região íntima envolvem infecções urinárias e fúngicas. Por isso, é fundamental ficar atento a esses fatores na terceira idade. 

Saiba mais sobre esses cuidados neste artigo. Acompanhe!

A saúde da mulher idosa

A terceira idade, como sabemos, é a fase em que o organismo costuma ficar muito mais suscetível às doenças. Isso se deve principalmente à baixa imunidade, algo considerado normal entre os idosos. 

Investir em boa alimentação, atividades físicas e exercícios para manter o cérebro ativo, é fundamental. Mas também é preciso cuidar da região íntima. Afinal, os idosos não estão imunes a doenças nessa área do corpo.

Não deixe de conferir também:

Qualidade de vida na terceira idade: como manter sempre beleza?

Dieta para pré-diabeticos: o que não pode faltar no seu cardápio?

 

Doenças ginecológicas na terceira idade 

Entre as doenças que mais acometem mulheres na terceira idade, podem destacar:

 

  • Câncer de vulva

Um das doenças mais comumente diagnosticada em mulheres idosas é o câncer de vulva. Ele está associado à exposição ao vírus papiloma humano (HPV) e tabagismo. Normalmente, ele se forma como um nódulo ou uma ferida na vulva e costuma provocar coceira. 

O tratamento geralmente envolve cirurgia para remover o câncer de uma pequena quantidade de tecido saudável ao redor. Se for diagnosticado precocemente, reduz-se a probabilidade de um tratamento extensivo.  

 

  • Câncer de endométrio

Essa doença, que começa no revestimento útero, afeta em sua maioria mulheres acima de 55 anos. O principal sintoma é sangramento vaginal anormal, após a menopausa e entre os períodos menstruais. 

Outro sintoma pode incluir dor pélvica durante a relação sexual, porém nem todas as mulheres apresentam sintomas. O tratamento inclui cirurgia de remoção do útero, radioterapia, terapia hormonal e quimioterapia. 

 

  • Câncer de ovário

A doença não apresenta sintomas na fase inicial, podendo permanecer despercebido, até se espelhar na pelve e barriga. Nesse estágio, é mais difícil ser tratado e pode ser fatal. 

Os sinais podem ser genéricos e inespecíficos, como perda de apetite e perda de peso, por isso é tão difícil a detecção na fase inicial. O tratamento envolve cirurgia e quimioterapia.  

 

  • Candidíase

É um problema causado pelo fungo Candida, que afeta a região íntima, provocando inflamação, coceira intensa e um corrimento branco e espesso na vagina. 

Pode surgir pela falta de higiene adequada, imunidade baixa ou excesso de açúcar no sangue. Um medicamento antifúngico oral ou aplicação de pomadas têm resultados eficazes no tratamento. 

 

Este é um tumor maligno do útero, que pode ser prevenido por exame de Papanicolau e por uma vacina contra o HPV. Pode ou não manifestar sintomas, como sangramento irregular ou dor. 

Os tratamentos incluem cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

 

Cuidados ginecológicos para adotar na terceira idade

Algumas medidas básicas podem ser adotadas para evitar que a mulher idosa adquira algum problema de saúde. Confira a seguir!

1. Ir ao médico regularmente

Com o passar do tempo, a frequência das idas ao médico deve aumentar. Se antes a orientação era ir pelo menos uma vez, após os 60 anos o indicado é ir a cada seis meses. Faça um check up, com exames que contemplem o sistema urinário, como:

  • Papanicolau;
  • Tomografia;
  • Ressonância;
  • Ultrassom, entre outros. 

Além, é claro, dos que avaliam o sistema reprodutivo da mulher, como:

2. Realizar atividades sexuais somente com preservativo

Para os idosos que ainda mantém uma vida sexual ativa, é importante usar preservativos em todas as relações: oral, vaginal, anal. 

O preservativo protege contra diversas IST’s (Infecções Sexualmente Transmissíveis), dentre as quais podemos destacar: 

  • HIV;
  • Hepatite B;
  • Sífilis;
  • Clamídia;
  • Gonorreia, entre outras. 

banner-autocuidado

3. Adotar bons hábitos de higiene

É fundamental manter uma rotina de higiene íntima, com banhos e uma boa limpeza após ir ao banheiro. Use sabonetes íntimos apropriados durante o banho e, sempre que possível, faça uma lavagem completa. Afinal, somente o papel não dá conta dessa tarefa. 

É indicado pelo menos um banho por dia. Além disso, use roupas que não apertem nem aqueçam a região íntima, evitando assim a proliferação de fungos e bactérias.

4. Cuidar da alimentação 

Alguns alimentos, principalmente os que contém muito carboidrato, como as massas, devem ser consumidos moderadamente. Isso porque eles facilitam a proliferação de fungos e bactérias naturais do corpo, criando ambientes propícios nas regiões íntimas. 

Invista em alimentos antifúngicos, como:

  • Gengibre;
  • Canela;
  • Óleo de coco;
  • Cravo;
  • Castanhas;
  • Limão, etc.

5. Cuidar de doenças associadas

Algumas doenças provocam disfunções miccionais, como a diabetes, neuropatia, AVC isquêmico, isquemia cerebral, alzheimer, parkinson, entre outras. Se não cuidadas adequadamente, a mulher idosa pode ser vítima frequente de infecções urinárias e fúngicas na região íntima. 

Para evitar esse problema, é importante cuidar dessas doenças, além de praticar exercícios na musculatura da região pélvica. Um fisioterapeuta pode ajudar. 

Agora que você já sabe como a mulher idosa deve proceder em relação à sua saúde, não deixe de compartilhar esta informação. No nosso blog, você encontra outros assuntos importantes. Leia também: Saiba como a imunidade baixa prejudica a saúde dos idosos

Compartilhar